Indicador Ipea mostra alta na inflação para todas as rendas

10:25:50 - 14/06/2021 - Notícias

SÃO PAULO, 6/14/21 - O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta segunda-feira (14/5), que o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda voltou a apontar alta em todas as classes de renda pesquisadas no mês de maio, apesar da desaceleração registrada em abril. As famílias de renda muito baixa, com renda domiciliar é inferior a R$ 1.650,50, foram mais impactadas, com inflação de 0,92% em maio. Para as famílias de renda mais alta - com renda entre R$ 8.254,83 e R$ 16.509,66 -, o percentual foi de 0,49% no mesmo período.

Os grupos que mais contribuíram para a alta da inflação foram os de habitação e transportes. Os reajustes de energia elétrica (5,4%), tarifa de água e esgoto (1,6%), gás de botijão (1,2%) e gás encanado (4,6%) foram os principais focos de pressão inflacionária no caso da habitação. Os transportes foram impactados pelo aumento da gasolina (2,9%), do etanol (12,9%) e do gás veicular (23,8%).

No segmento de renda mais elevada da população, a queda de 28,3% no preço das passagens aéreas atenuou os impactos dos reajustes dos combustíveis. O grupo saúde e cuidados também influenciou a aumento da inflação em maio. Enquanto as famílias com renda mais baixa tiveram alta de 1,3% nos medicamentos, os mais ricos sofreram com o reajuste de 0,67% nos planos de saúde.

Na comparação interanual, houve forte aceleração inflacionária em todas as classes de renda. Em maio de 2020, a pandemia impactou um grupo de bens e serviços gerando quedas de preços significativas, como a deflação na energia (-0,58%), combustíveis (-4,6%) e medicamentos (-1,2%), além das quedas em 3,2% dos móveis, de 0,58% do vestuário e de 0,37% dos serviços de recreação.

No acumulado de 2021, a inflação de 3,0% é mesma para o segmento de renda mais baixa e a classe de renda mais alta. Entretanto, as maiores taxas observadas de janeiro a maio deste ano estão nas classes de renda média (3,5%) e renda média baixa (3,4%). No acumulado em doze meses, a inflação das famílias de renda muito baixa (8,9%) segue bem acima da verificada entre os mais ricos (6,3%), ainda sob efeito das altas de 15,4% dos alimentos no domicílio e de 11,6% da energia elétrica. No caso das famílias com melhor poder aquisitivo, o reajuste de 47,5% dos combustíveis nos últimos doze meses explica parte desse aumento.
(MR - Agência Enfoque)

Sites da Enfoque e Fausto Botelho desenvolvidos por Agilso.