Pandemia afeta atividade econômica nos EUA, aponta FOMC

16:13:25 - 07/04/2021 - Notícias

SÃO PAULO, 4/7/21 - A pandemia COVID-19 e as medidas tomadas para conter sua propagação continuou a afetar a atividade econômica nos Estados Unidos e no exterior, segundo dados da ata do FOMC. Com isso, o produto interno bruto (PIB) real dos EUA era expandindo no primeiro trimestre de 2021 em um ritmo que foi mais rápido do que no quarto trimestre do ano passado, embora o nível do PIB real provavelmente ainda não havia retornado ao nível visto antes do início da pandemia. O mercado de trabalho as condições melhoraram em janeiro e fevereiro, mas o emprego ainda estava bem abaixo do seu nível no início de 2020. A inflação dos preços ao consumidor até janeiro - conforme medido pela variação percentual de 12 meses no índice de preços para despesas de consumo pessoal (PCE) - permaneceram bem abaixo de 2 por cento.

A projeção econômica dos EUA preparada pela equipe para a reunião de março do FOMC foi consideravelmente mais forte do que a previsão de janeiro. O crescimento real do PIB apareceu para pegar no início deste ano por mais do que a equipe esperava, provavelmente refletindo tanto um atenuação mais rápida do que o previsto no distanciamento social e uma resposta mais rápida das famílias ao apoio do pacote fiscal promulgado no final de dezembro. Além disso, o crescimento real do PIB foi projetado para ser substancial este ano e a taxa de desemprego foi projetada para diminuir acentuadamente, como a projeção da equipe também continuou a antecipar que a vacinação generalizada permitiria um maior alívio no distanciamento social deste ano. Esperava-se que o crescimento do PIB real diminua em 2022 e 2023, mas ainda superam o potencial ao longo neste período, levando a uma queda na taxa de desemprego para níveis historicamente baixos, uma vez que a política monetária se manteve altamente acomodatícia.

Os dados entrantes de inflação ficaram um pouco acima do que se esperava. Além disso, previa-se inflação a ser temporariamente impulsionado este ano pelo esperado surgimento de alguns gargalos de produção e abastecimentorestrições. Após o aumento transitório deste ano, a inflação foi projetada para ficar um pouco abaixo de 2 por cento no próximo ano e, em seguida, chegar a 2 por cento até 2023, refletindo utilização de recursos nos mercados de produtos e de trabalho.

A equipe continuou a ver a incerteza em torno da perspectiva. Além disso, o curso incerto da pandemia, particularmente o surgimento de cepas mais contagiosas do coronavírus nos Estados Unidos e em outros lugares, ainda era visto como inclinando os riscos para as perspectivas econômicas para o lado negativo. Porém, dada a resiliência da economia em face do aumento anterior em novos casos COVID-19, hospitalizações, e mortes e a magnitude do apoio fiscal promulgado, os riscos de queda para as perspectivas econômicas foram vistos como menor do que para a projeção anterior.
(MR - Agência Enfoque)

Sites da Enfoque e Fausto Botelho desenvolvidos por Agilso.